Sie sind hier:

Culto de Ano Novo – 2014

Culto de Ano Novo e da Fundação da Igreja Messiânica
05 de janeiro de 2014
Solo Sagrado de Guarapiranga

Bom dia!

Feliz Ano Novo a todos!

Festejaram bastante a chegada de 2014?

Cada ano que se inicia nos abre um novo horizonte de oportunidades. Com a renovação do nosso espírito, tomamos decisões e criamos novas metas e objetivos a fim de cumprirmos nossa missão na família, na sociedade e na Igreja. O importante é nos mantermos constantes renovando-nos a cada dia, embasados no sentimento de gratidão.

Recebemos as mensagens de Kyoshu-Sama e do atual Presidente da IMM – Izunomê, Revmo. Masayoshi Kobayashi.

Os senhores poderão lê-las na íntegra na Revista Izunomê deste mês.

Portanto, gostaria de fazer a leitura para os senhores da mensagem do Presidente Kobayashi.

Feliz ano-novo!

Juntamente com os senhores, agradeço profundamente a permissão de estar iniciando um novo ano sob a proteção de Deus e de Meishu-Sama, envolto pelas orações do Líder Espiritual, Kyoshu-Sama.

Que, ao longo de 2014, aprendamos com os ensinamentos de Meishu-Sama e, sob as orientações de Kyoshu-Sama, consigamos desejar, do fundo de nossos corações, nascer de novo como filhos de Deus. Que, com este objetivo, nós nos dediquemos de corpo e alma às atividades ligadas aos três pilares da salvação e que desenvolvamos ações que objetivam nossa formação como pessoas simpáticas e pioneiras da salvação.

Que, com a alegria e a gratidão que brotam do nosso interior, possamos levar a salvação de Meishu-Sama às pessoas que se encontram próximas a nós.

Vivemos tempos turbulentos. E que tipo de esforço devemos envidar para edificarmos uma sociedade melhor?

Existem muitos. No Japão, por exemplo, fala-se bastante da necessidade de se encontrar um equilíbrio entre o “ajudar a si mesmo”, a “ajuda mútua” e o “auxílio público”.

O “ajudar a si mesmo”, neste sentido, significa fazer as coisas sem depender do auxílio de ninguém. “Ajuda mútua”, como o próprio nome sugere, quer dizer cooperar uns com os outros, e “auxílio público” refere-se à ajuda prestada por órgãos do governo e instituições públicas.

Quando observamos a sociedade a partir destes três pontos, constatamos que tivemos algumas notícias boas. Em relação ao Japão, podemos apontar a escolha de Tóquio como sede dos Jogos Olímpicos de 2020 e a retomada do crescimento de certos setores da economia. Por outro lado, acumula-se uma série de questões a serem resolvidas: diminuição e envelhecimento da população, atraso nas obras de recuperação das regiões atingidas pelo grande terremoto e tsunami de 2011, elevação da alíquota do imposto ao consumidor, crise das usinas nucleares, aposentadorias etc.

Todas estas dificuldades ocasionaram uma redução drástica do auxílio público, provocando nas pessoas uma forte sensação de insegurança.

Contudo, não podemos ficar parados diante dessa situação. Se a ajuda do governo diminui, para supri-la, precisamos aumentar, com vigor e na mesma proporção, o “ajudar a si mesmo” e as ações de ajuda mútua.

Para uma pessoa de fé, “ajudar a si mesmo” não significa confiar excessivamente na própria capacidade. Meishu-Sama nos ensinou que devemos caminhar tendo Deus como nosso sustentáculo e a sinceridade como cajado. Sendo assim, é muito importante que oremos sempre a Deus, busquemos ouvir Sua vontade e, aceitando a educação que estamos recebendo para termos um novo nascimento, nos empenhemos para progredirmos espiritualmente e elevar nossa individualidade, tal qual nos aponta o ensinamento “Sejam sempre homens do presente”, lido neste culto de ano-novo.

Para que esta postura de vida vá se estendendo à nossa volta, no dia a dia, vamos buscar os ensinamentos para pautar nossas atitudes; vamos nos aplicar diligentemente à prática do Johrei, ao cultivo da horta caseira, à alimentação natural e à criação de um ambiente belo, para estabelecermos, assim, um lar caloroso, pleno de amor e de gratidão.

A reunião de pessoas simpáticas, alegres e positivas atrai e congrega amigos e conhecidos que desejam seguir seus passos. E é desse modo que Johrei Centers ideais irão se formando.

Neste sentido, um ponto muito importante a ser compreendido é que “ajudar a si mesmo” e “ajuda mútua” não são coisas distintas. Existe um ditado que diz: “O Céu ajuda aqueles que ajudam a si mesmos.” Mas a verdade é que “O Céu ajuda quem ajuda os outros.”

Dentre os poemas de Meishu-Sama, temos o seguinte:

Quem ama o mundo e ajuda o próximo, será protegido aonde quer que vá.

Quando comungamos com este pensamento e partimos para sua concretização, naturalmente, nossas ações se desdobram em “ajuda mútua”, ou seja, em cooperação.

E isto acaba se tornando um tipo de “ajuda a si mesmo”, pois o empenho em ajudar outras pessoas ocasiona um acúmulo de méritos, que, por sua vez, promove a elevação do nível espiritual de quem ajudou, conduzindo-o a uma condição de felicidade.

Convictos deste fato, vamos tomar a iniciativa de nos dedicar à prática do amor altruísta e, trilhando o caminho de pioneiros da salvação, participemos todos – nós e nossos semelhantes – da imensa Graça de Deus.

Após longos anos de espera, iniciou-se, no Solo Sagrado de Kyoto – denominado também Terra da Tranquilidade –, a construção do Memorial Mokiti Okada. Meishu-Sama nos ensinou que a salvação se estenderia ao mundo à medida que a construção deste Solo Sagrado fosse avançando. Cientes de que, dedicando nesta obra, estamos participando ativamente da difusão mundial, vamos servir com todo amor e sinceridade.

Vamos, juntos, reafirmar este compromisso com Deus e Meishu-Sama.

Muito obrigado!

Estas foram as palavras do nosso Presidente.

Assim, vamos nos empenhar em nos tornarmos mais úteis a Deus, resgatando o coração missionário que deseja constantemente a felicidade das pessoas ao nosso redor e do mundo.

Boa missão a todos e feliz ano novo!